O PIB e o “PIG”

8 06 2010

Observadores da economia brasileira, aqueles que vivem pregando o derrotismo, estão nesse momento cortando os pulsos com a divulgação de que o PIB do primeiro trimestre aponta o auge da retomada do crescimento da economia no país.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, se reuniu nesta quarta-feira com o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, para discutir a situação fiscal do Brasil e a crise europeia. Antigamente essas reuniões do Brasil com o FMI eram para colocar os ministros e o país de quatro, mendigando por um empréstimo para salvar as m… que o grupo do farol de Alexandria aprontava.

Durante o encontro, Mantega afirmou ao dirigente do fundo que, sob o ponto de vista fiscal, o Brasil está muito bem, principalmente na comparação com os demais países do mundo. “Disse que somos um dos poucos países que enfrenta questões de crescimento e não de estagnação, resultado de políticas fiscais e monetárias anticíclicas adotadas no período da crise financeira internacional”, revelou o ministro a jornalistas após encontro com Strauss-Kahn.

O ministro  Guido Mantega também na China onde compareceu à Expo Shangai, fez apresentação onde  destacou o crescimento do PIB brasileiro, que vem se consolidando a uma média de 5%, a partir de um cenário macroeconômico de excelentes resultados, com a economia retornado a patamares registrados antes da crise de 2008.

O ministro reafirmou que o crescimento econômico do Brasil é sustentável e não provoca desequilíbrios macroeconômicos. O país, segundo Mantega, conquistou as condições para sustentar um ciclo de crescimento de longo prazo e tornar-se uma das economias mais dinâmicas do mundo.


Foto: Divulgação/Apex-Brasil.

Na área fiscal, Mantega mostrou projeções do Ministério da Fazenda que revelam cumprimento da meta de superávit primário (3,3% do PIB) até 2014, e superávit nominal a partir de 2012. De acordo com o ministro, a dívida pública está em processo de redução gradativa, com projeções de 40,7% do PIB em 2010; 38,1% em 2011; 35,1 em 2010; 31,9 em 2013 e 28,7 em 2014.

O crescimento da classe média e a geração de 13,8 milhões de empregos de 2003 a 2010 foram fundamentais para a recuperação do Brasil, disse o ministro. Ele também acrescentou a prioridade no investimento e a importância do papel dos bancos públicos na oferta de crédito. Em abril de 2010, eles contribuíram com 54,7% das concessões de crédito.

O ministro apresentou os números do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC, do Programa de Sustentação do Investimento- PSI e do Programa Minha Casa Minha Vida, que fazem parte de uma estratégia de aumento dos investimentos que sustentarão o crescimento, sem desequilíbrios, bolhas ou ameaças a estabilidade inflacionária.

Brasil, prá frente é que se anda. Retrocesso jamais. 2010 Dilma Presidente.


Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: